São Paulo, 18/12/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Advertência oportuna
JOÃO SALVADOR

O organismo humano tem uma tendência compassada para absorver as mudanças, mas, quando ocorrem em curto e concorrido espaço de tempo, o desbalanço energético vital predispõe o organismo a transtornos psicológicos, como depressão, ansiedade, angústia e pânico, síndromes dos tempos modernos.
A força progressista de produtos e serviços, impulsionada pelo maior intercâmbio cultural, estreitou o relacionamento entre as populações, com a disformidade e explícitos desarranjos operacionais, incompatíveis com um sistema exigente em ajustes.
O bombardeio de informações, de questionamentos, de novidades e necessidade de se adaptar ao dinamismo e da organização das ideias para cumprir metas, o recrutamento de profissionais ajustou-se na seleção dos mais bem preparados, com a proposição de obter, a qualquer custo, a vantagem competitiva, a excelência na qualidade e inovação, à base de muita imaginação e de criatividade.
Com isso, o progresso acabou repartindo indevidamente os benefícios do crescimento. De um lado surgiu um contingente capaz de lidar com o mundo da escrita, de outro, a porção quase analfabeta, incapaz de integrar à vida econômica, jogada à informalidade trabalhista. As crises emocionais foram se acumulando pelos desencontros e desejos reprimidos em vista das normas exigidas pelo mercado.
O desencadeamento do alcoolismo, da obsessão e compulsividade no uso de drogas pelos jovens por não contemplarem um futuro promissor, passou a ser notório, com crescente demanda por barbitúricos, anfetaminas, ansiolíticos e antidepressivos.
Chega, enfim, o tempo da fúria descarregada pelos curtos-circuitos do inconsciente, das sinapses desarranjadas, capazes de transformar, de repente, pessoas de boa conduta, em criaturas desprovidas de sensibilidade moral, sem o mínimo de compaixão e de respeito à vida. Mesmo assim, há os que vivem numa tapera, casa de taipa, com dinheiro contado, somente para comer e são felizes.
Trabalho e estresse andam juntos, e os níveis altos de colesterol e das toxinas, também, em razão das dietas desbalanceadas, da falta de exercícios físicos. Não há tempo a perder.
Na verdade, o ser humano é capaz de reagir a certas agressões, porém a capacidade de adaptação está ligada à sua cultura e estrutura. Os mais comprometidos com ideias e resultados têm maior dificuldade em manter o equilíbrio, pois a cobrança pessoal de dedicação ao trabalho compromete-lhes os fins de semanas, as férias e a convivência familiar. A interligação da vida com o relógio, afeta a qualidade de vida.
O progresso é importante para a evolução humana, mas não no sentido moral e social, porque as transformações trazem um elevado custo emocional, e a comunhão da paz e da solidariedade torna-se impossível, diante do individualismo exacerbado, da persistência e determinação do caráter evolucionista. O ser humano já é agônico por natureza.
Se todos, com espontaneidade, dissessem algumas palavrinhas, hoje em desuso, como, “por gentileza”, “obrigado”, “dá licença”, “ desculpe-me”, o mundo seria outro. Mas muitos consideram isso ultrapassado e pouco inteligente, principalmente pelos manipuladores da modernidade, que leva o indivíduo a não se respeitar, nem tampouco o próximo. Permanece longe da meta criacionista e se junta à teoria darwinista, a da seleção natural, da sobrevivência dos mais aptos ou dos mais espertos, talvez. A dedução é sua.

JOÃO SALVADOR é biólogo do Cena
(Centro de Energia Nuclear na Agricultura) -
USP (Universidade de S. Paulo)
salvador@cena.usp.br

<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS