São Paulo, 22/08/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Sem Paz no Coração

George Guimarães

04/09/10



Um mundo melhor, seres livres de exploração
Na minha mente, talvez, mera ilusão
O que vejo dentro de mim é diferente
Daquilo que parece ver toda a gente

Pode ser que nunca venha a ser
Mas apostar na dúvida não satisfará ao querer
Utopia, romance, impossível de concretizar?
Disso só saberei se nessa visão me empenhar

Elejo a ela ao invés da atual realidade
Sem abrir mão do trabalho necessário para mudar a verdade
Nem tanto por escolha, mas por inquietação
Pois o que vejo incomoda tanto à razão quanto ao coração

Presas vitimadas por cautos e incautos
Por profetas, hipócritas, disseminadores do horror
Ignorando todo e qualquer pedido por piedade
Toda e qualquer forma de dor

Tudo em nome do animal humano, da gula, do óleo
Do arrancar de bilhões de pares de olhos
Da ganância, do sangue, da carne e da secreção
Do entretenimento e das suas ciências sem razão

Guiados ou cegados por sua autoconcepção de justiça
Criam mecanismos, escravizam, angustiam
Põem, depõem
Castigam, sobrepõem
Arrancam de todos os que vivem ou viveriam
Aquilo que de si mesmos jamais tirariam

Justificam com o paladar, com a “natureza”, com a túnica
Impõem aos recém-chegados e inocentes uma realidade única
Descriam virtudes e nutrem vícios de toda cor
Transformam-nos em gráficos, em números, em mero ator

Fazem todos os que são ser
Passarem a ser um quase ser
Que quase nasce
Que quase morre
Que quase vive
(e em muitos vive)
Em pleno terror

Abro os olhos
Saio do sofá
Pois eles não esperam
Por si não perseveram
Não têm saída desse lugar

Será somente por nossas mãos
Há responsabilidade sim, e pede ação
Para uma revolução não bastam aulas
Há uma dívida histórica da espécie que criou as jaulas

Há uma dívida de espécie
Herança especista
Há uma dívida planetária
Herança consumerista
Pelas mentes dissidentes
A revolução abolicionista

Dos corações irados
A resposta massiva
Pelas mãos dos bravos
A resposta, quando for chegada a hora, armamentista

A utopia, a verdadeira utopia da razão
Talvez esteja em acreditar que toda a solução
Virá sempre por meio do discurso, da petição
Da política ou do abraçar da paz no coração
George Guimarães é nutricionista especializado em dietas vegetarianas. Vegetariano desde os 4 anos de idade e vegano há 18 anos, dirige a NUTRIVEG Consultoria em Nutrição Vegetariana, dedicando-se ao aconselhamento de pacientes vegetarianos em seu consultório enquanto colabora com instituições de ensino e pesquisa. Ministra cursos e palestras sobre nutrição vegetariana em universidades e para o público em geral no Brasil e no exterior. É docente da primeira disciplina de nutrição vegetariana em um cruso de pós-graduação no Brasil e tem trabalhos publicados em revistas científicas de alcance internacional. Com participação assídua em congressos científicos e conferências no exterior e tendo publicado uma centena de artigos, é tido pelo público vegetariano e pela imprensa nacional como a principal fonte sobre o tema da nutrição vegetariana, tendo concedido nos últimos 16 anos mais de 550 entrevistas à imprensa.

George Guimarães tem publicados em revistas, jornais e meios eletrônicos mais de 100 artigos de sua autoria. É criador do VEGETHUS Restaurante Vegano, o primeiro restaurante vegano da cidade de São Paulo aberto em 2003. George Guimarães é um ativista de destaque dentro do movimento de defesa animal.

Desde 2006 preside a ONG VEDDAS – Vegetarianismo Ético, Defesa dos Direitos Animais e Sociedade, grupo de destaque no movimento nacional e internacional de defesa dos direitos animais. Seja em seu consultório, na sua colaboração em estudos científicos, nos restaurantes que dirige ou à frente de campanhas pelos direitos animais, todas as suas atividades são voltadas à difusão e argumentação científica em favor do veganismo e da nutrição vegetariana.

George é nutricionista especializado em dietas vegetarianas, presidente da ONG VEDDAS, conselheiro consultivo do Instituto Abolicionista Animal e membro-fundador da Sociedade Vegana (2010).
FONTE nutriveg@nutriveg.com.br

<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS