São Paulo, 23/08/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
NECROCHORUME - O QUE É ISSO?
Autor: Fátima Borges

Necrochorume, cocô de cachorro, fezes de gato e titica de pombo, qual a relação entre eles?

Nenhuma, a não ser pelo fato de que as fezes dos gatos, dos cães e dos pombos sempre levam a culpa pelos males que o necrochorume pode causar à população desinformada!
Mas, afinal, o que é necrochorume? Nada mais, nada menos que o líquido que escorre dos corpos mortos em decomposição nos cemitérios. O necrochorume é um líquido viscoso, escuro, de odor forte e desagradável, tornando–se um problema sério por causa do enorme potencial de contaminação do solo e da água. Apresenta alto grau de patogenicidade devido à presença de bactérias, vírus e outros agentes causadores de doenças, possuindo substâncias orgânicas tóxicas (putrescina e cadaverina), que pode, muitas vezes, ser o causador de doenças infectocontagiosas normalmente atribuídas às fezes dos pobres animais, é mais fácil, né?
Por estarem muito próximos aos centros urbanos, os cemitérios, principalmente os públicos, expõem sim a população a uma variedade imensa de doenças. Primeiramente com a contaminação das águas subterrâneas de menor profundidade (aquífero freático) ou de águas superficiais, como canais, córregos, ribeirões etc. Quem ainda não foi a cemitérios onde as covas estão abertas, rachadas, onde os ossos ou materiais dos mortos estão visíveis para quem quiser ver?
O maior perigo está nos cemitérios que enterram os mortos diretamente em contato com a terra. Para os pesquisadores, muitos cemitérios estão contaminando o solo e as águas subterrâneas inclusive com metais pesados. Ao contaminar o solo, o lençol freático, responsável por 95% da água que se consome no planeta, segundo a ABAS – Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - , está invariavelmente contaminado e ninguém se dá conta, nada mais importante hoje em dia que uma política ambiental e cuidados sanitários. Já sabemos do descaso do poder público que não está nem aí para os seus contribuintes, e que continua com a mesma política do melhor não falar, melhor não alertar,melhor não resolver, afinal, eles têm os animais para culpar e,que, na verdade, sempre pagam o “pato” pelas desordens físicas que a população possa vir a ter por causa dos necrochorumes!
Não sou a favor de cocozinhos nas calçadas, mas também não vou compactuar com a sem-vergonhice do poder público, chamando a atenção para pequenos detalhes, manipulando, assim, a opinião pública a seu favor e contra os animais. Enquanto os grandes problemas, os realmente geradores de desgraças, ficam escondidinhos debaixo da terra, pelo menos, os cocozinhos dos animais você pode ver, pode evitar, pode limpar, não são como as doenças transmitidas pela água contaminada dos cemitérios.
Na terra são enterradas todas as doenças, todos os medicamentos, todas as impurezas que, porventura, estejam encerradas nos corpos doentes, daí a preocupação com o solo e com as águas subterrâneas, isto sem citar os inseticidas que são colocados para matar baratas e outros insetos nos solos dos cemitérios. Em dias de enxurradas, certamente, todos os males dos corpos e dos pesticidas se misturam com as águas da chuva, escorrendo pela terra e acumulando-se em covas inundadas. E, adivinhem para aonde vão depois, levando os vírus, as bactérias, os agentes transmissores de doenças, como a febre tifóide, poliomielite, meningite, hepatite, tétano etc.?
O necrochorume é apontado por especialistas como o vilão da qualidade das águas subterrâneas. Enquanto o poder público continuar a culpar os cocozinhos dos animais nas calçadas pelos males da humanidade, o necrochorume continuará contaminando o solo, levando doenças pelas águas que bebemos, derramando-se e infiltrando-se em nossos corpos e de nossas crianças, por culpa da falta de interesse em deixar nossos mortos bem cuidados, sem que precisem contaminar os seus vivos.
Fontes:
FELICIONI, Fernanda; ANDRADE, Flávio F. A.; BORTOLOZZO, Nilza – A AMEAÇA DOS MORTOS.
http://aameacadosmortos.blogspot.com/
HTTP://WWW.IGC.USP.BR/SUBSITES/CEMITERIOS/CEMIT.PHP
HTTP://pt.shvoong.com/humanities/1767800-atividade-cemit%C3%A9rios-pode-causar-riscos/
HTTP://recantodasletras.uol.com.br/artigos/1685249
noticias.terra.com.br/imprime/0,,OI3778307-EI...
Por: Fátima Borges – Professora de Português e Teatro Infantil, Colunista, Artista Plástica e Poetisa.
Colaboração: Iracema Hochman



<

<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS