São Paulo, 23/05/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Animais humanizados
Ivana Maria França de Negri

Os filmes da série “O Planeta dos Macacos” foram estrondoso sucesso entre os anos sessenta e setenta. A saga teve início com uma nave aterrizando num planeta onde símios inteligentes comandavam e os humanos eram meros escravos mudos e explorados por eles. Pois agora a ficção ficou muito próxima de se tornar realidade.
Pesquisadores têm transplantado células humanas em macacos de grande porte como gorilas, chimpanzés e orangotangos. Receosa dos resultados advindos desses experimentos, a Academia de Ciências Médicas do Reino Unido pede ao governo que estipule regras para as pesquisas genéticas. Pretendem impor limites a essas atividades temendo que com a introdução de células cerebrais humanas em primatas, eles comecem a desenvolver atividades cognitivas como a linguagem e a consciência.
Ao implantar DNA humano em animais, os cientistas, que não demonstram intenção de cessar esses experimentos, entram num campo muito polêmico, ligado a questões éticas e delicadas.
Fico imaginando a tremenda revolução que isso poderia causar à humanidade...
E se outros animais, além dos macacos, também pudessem expressar em palavras o que sentem? As pessoas continuariam a comer a carne de um ser que pensa e fala? Que pede clemência na hora do abate?
No primeiro filme da série “O Planeta dos Macacos”, o comandante Taylor, interpretado por Charlton Heston, ferido na garganta e impossibilitado de falar, é preso numa gaiola para que a cientista Zira realize experiências com seu cérebro. Ela desconfia que os habitantes do seu planeta sejam descendentes dos humanos mudos, mas um outro cientista, doutor Zaius, não crê nessa hipótese. O final do filme surpreende todo mundo.
Esse tipo de fantasia sempre povoou o imaginário dos escritores. Como na história do “Médico e o Monstro”, que narra o feito do estudante de ciências médicas, Victor Frankenstein, obcecado por criar vida artificial em seu laboratório. Ele roubava órgãos de cadáveres em cemitérios e acabou furtando da faculdade de medicina um cérebro que pertenceu a um criminoso. A criatura inventada por ele torna-se um monstro que precisa ser contido numa masmorra para ser controlado. Um dia a criatura foge e mata várias pessoas até o confronto final com seu criador. Não me lembro se a criatura acaba matando o criador ou este sua criatura. Só sei que essa história macabra serve para mostrar que não se deve brincar de ser Deus.
Muitas vezes a mídia oferece como notícia, matérias pagas que servem para interesses de alguns. Mas é preciso ir se acostumando com essas ideias para não ficarmos tão assombrados quando a ficção virar realidade. Por enquanto são só notícias esparsas e especulações, talvez propaganda da próxima atração hollywoodiana.
E a raça humana anda tão violenta, cometendo tantos atos de brutalidade e selvageria, que fico a pensar quem seriam os humanos e quem seriam os animais em certas situações...

<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS