São Paulo, 16/10/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Processo Cármico e Doença.

“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem enfraquece-me, porque sou parte da humanidade. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”. John Donne (1572-1631 – poeta inglês).

Processo Cármico, Reencarnação e Doença:
Nascido há cinco mil anos, o Hinduísmo, a mais antiga religião da qual se tem notícia, é um conjunto de doutrinas, tradições, mitos e práticas religiosas pertencentes a povos diferentes que se instalaram na Índia, no vale do rio Ganges, durante o segundo milênio antes de Cristo. Seus seguidores o chamam de “Religião Eterna”, porque dele não se conhece nenhum fundador. Suas tradições, transmitidas oralmente por centenas de anos, passaram a ser registradas a partir de 1500 a.C. nos quatro livros dos Vedas. O conceito geral hinduísta é que “espíritos” (seriam as partes imortais dos seres) originaram-se do “Ser Supremo” e, essencialmente, permaneceram idênticos a Ele. Algumas vezes as almas podem se “esquecer” de suas origens, confundirem-se e se entorpecerem, falhando no que é considerado o “caminho”. Mas gradualmente, por meio de outras experiências, ao longo de sucessivas “encarnações”, as almas percebem para onde devem retornar e o que devem fazer. Um dos princípios da religião hinduísta é o “Princípio do Carma”, o qual significa ação e consequência - causa e efeito.
Inicialmente, para entender esse conceiro, é necessário compreender o que é reencarnação: retornar muitas vezes a um corpo humano. Pode ser uma doutrina religiosa, uma convicção revelada ou uma experiência: memórias espontâneas ou regressões induzidas.
São definições alternativas: metamorfose, palingênese, transanimação, transcorporação, transmigração. Segundo Hans TenDam (psicólogo holandês) os termos mais comuns são:
Reencarnação: a palavra “reencarnação” vem do grego e significa “tornar-se carne outra vez”: o ser humano morre e reencarna no corpo de outro ser humano (Hinduísmo, Sufismo, Drusos);

Metempsicose: ser humano morre e pode renascer como homem, animal ou planta e vice versa (Jainismo – surgiu no século VI a. C., criado pelo príncipe indiano Nataputa Vardamana (cerca de 599 a 537 a.C.);

Transmigração: desenvolvimento de mineral para planta; de planta para animal; de animal para humano; de humano para formas superiores. (Segundo a Escola Pitagórica, século VI a. C., a habilidade de recordar vidas passadas era tida como uma dádiva do deus Hermes. Após uma longa série de encarnações vegetais e animais seria possível retornar como humano. Pitágoras, filósofo e matemático grego nascido por volta do ano 580 a.C., ensinava a reencarnação, seguindo, além de outros, os fenícios, os caldeus e os egípcios. Pitágoras dizia que a alma era imortal, e que depois da morte do corpo, ela ocuparia outro corpo, às vezes, de um animal. Foi a primeira vez que a Teoria da Reencarnação foi mencionada no Ocidente; Teosofia: em 1875, graças ao esforço conjunto da ucraniana Helena Petrovna Blavatsky (1831-1891) e do americano Henry Steel Olcott (1832-1907), nasceu, em Nova York, a Sociedade Teosófica. Mais tarde sua sede foi transferida para Adyar na Índia. Segundo a Teosofia, reencarnação é um processo que se aplicaria a toda forma de vida e a todos os seus organismos. A rosa que morre, voltaria à sua subdivisão da alma grupo das rosáceas e depois reencarnaria sob a forma de outra rosa; um cão, tornaria à sua alma grupo canino depois de morto, e mais tarde reencarnaria numa outra ninhada, como outro cãozinho. Atualmente há autores, que afirmam que animais domésticos já possuiriam alma individual e que qualquer animal poderia reencarnar em corpos de diferentes espécies de animais).

Reencarnação, metempsicose e transmigração são conceitos que estão presentes em várias religiões.
Além do Hinduísmo, do Jainismo e do Budismo (surgiu no século VI a. C., fundado por Siddharta Gautama, o Buda - 563-483 a.C.), do Espiritismo e da Teosofia, religiões que pregam a doutrina da pluralidade de existências, o século XX marcou o surgimento e a expansão de várias outras religiões com fundamentos reencarnacionistas.
Reencarnação e carma seriam conceitos puramente religiosos e/ou místicos? Por enquanto sim - ainda não há provas “científicas” que respaldem esses princípios. De uma forma geral, a ciência moderna estuda o homem sem fazer referências a uma alma imaterial, uma vez que, ainda não poderia ser observada nem medida, com os atuais recursos da ciência.
Entre as tentativas de dar uma base “científica” a essas crenças, estão os estudos do Dr. Ian Stevenson, médico psiquiatra canadense (1918-2007), catedrático de neurologia e psiquiatria na Universidade de Virgínia, EUA, que conduziu um estudo sobre a reencarnação nos Estados Unidos até a sua morte, em 2007. Stevenson fundou a “Divisão de Estudos da Personalidade” no “Departamento de Psiquiatria e Ciências Neuro Comportamentais” da “Universidade da Virgínia”. Esse laboratório, que mais tarde tornou-se conhecido como a “Divisão de Estudos Perceptivos”, é especializado em examinar crianças que se “lembram” de vidas passadas, aparições e comunicações pós morte, visões no leito de morte, etc..Ian Stevenson foi a maior autoridade mundial no estudo da reencarnação com o que mais se aproximou de um método científico. Não conseguiu provar peremptoriamente a reencarnação, mas as descobertas que fez, o imenso acervo de casos que sugerem reencarnação que acumulou, fizeram-no chegar perto das provas definitivas. Ele sempre respeitou as críticas de céticos ao seu trabalho, e usava as críticas para aperfeiçoá-lo.

No Mundo Ocidental são essas as duas fontes dominantes que fornecem dados em relação à reencarnação: a ciência e a religião.
Os cientistas da ciência newtoniana-cartesiana elaboraram um conjunto de teorias baseando-se em fenômenos observáveis, confirmados por testes. Assim, segundo essa ciência, realidade é aquilo que pode ser observado como tal, podendo ser comprovada por meio de testes físicos. A força propulsora por trás dessa ciência é a busca do conhecimento – com o conhecimento virá a compreensão. O paradigma newtoniano-cartesiano de explicação da realidade tem dominado a ciência ocidental nos últimos trezentos anos. Suas principais características são: mecanicismo (concepção do
Universo como uma máquina, sujeito a leis matemáticas);
empirismo (o conhecimento deve acontecer apenas a partir de fatos concretos, passíveis de serem percebidos pelos sentidos e passíveis de medição); determinismo (uma
vez conhecidas as leis que causam os fenômenos, é preciso
determinar com precisão a sua evolução) e fragmentação (decomposição o objeto de estudo em suas partes componentes).
Religião e ensinamentos místicos: aqui, as idéias têm sido construídas sobre séculos de crenças humanas, sentimentos, pensamentos e dogmas sem necessidade de serem observados pelos sentidos ou comprovados por testes. Na maioria dos casos, a validade dos ensinamentos do líder e os principios dos seguidores são aceitos como verdadeiros, porque os adeptos religiosos acreditam que esses ensinamentos foram resultado da inspiração divina.
A força propulsora por trás da religião é a fé. Onde a ciência busca conhecimento a religião busca fidelidade aos dogmas.
No século XIX aconteceu uma divisão geral de territórios: o “material” coube à ciência e o “espitirual” à religião e aos filósofos.
E a reencarnação? A reencarnação permanece numa terra de ninguém, mesmo que essas idéias sejam encontradas em diversas culturas, e em todo o mundo: nas culturas primitivas, religiões orientais, culturas clássicas – reencarnação continua sendo matéria da fé.

Na primeira metade do século XX a Física começou a mudar. Ocorreu uma revolução com as Teorias de Einstein e da Física Quântica, que abalaram as estruturas do Mecanicismo, com modificações profundas e importantes para o conhecimento humano. Essa revolução ainda está em curso não somente na Física, mas também em outras ciências, como na Biologia.
É interessante observar que o conhecimento ocultista se adiantou à Física. Exemplos (e há muitos outros): há cento e vinte anos atrás, Helena Blavatsky afirmou: “um bloco de matéria ou de pedra está imóvel e é impenetrável em todos os sentidos. Não obstante, e de fato, as suas partículas estão animadas de um movimento vibratório incessante, eterno, tão rápido que, para o olho físico, o objeto parece em absoluto desprovido de movimento; e a distância daquelas partículas entre si, no seu movimento vibratório, é tão grande (vista de outro plano de existência e percepção) como a que separa flocos de neve ou gotas de chuva. Mas, para a ciência física, isto será um absurdo” Helena Blavatsky também escreveu: “Segundo os ensinamentos esotéricos, o espaço e o tempo são uma só coisa”. Quantos anos depois o conceito de espaço-tempo (e não, espaço e tempo) veio a fazer parte do estudo dos cientistas?
Carma e Darma:
A palavra carma vem do sânscrito “karman”, que significa “agir”. Em geral, acredita-se que as ações influem na qualidade da presente vida e nas futuras. Boas ações criariam um bom carma e más ações, um carma negativo. Há um conceito universal de moral, que consiste em não fazer ao próximo o que não se quer para si, mas não só isso: há o conceito de pró atividade – fazer ao próximo o que se quer para si. Carma colocaria em ação esses conceitos universais.
Os efeitos do carma poderiam se manifestar imediatamente, no final da vida ou após muitas vidas. Algumas religiões entendem o carma como a lei que rege a reencarnação. Outras acreditam que o carma é algo particular, que acompanharia a alma e precisaria ser removido através de atos de devoção.
Carma = débitos
Darma = créditos.
O carma não seria um castigo, uma punição, mas sim aprendizado.
Carma seriam os esquemas repetitivos, os padrões que fariam o indivíduo reviver os mesmos acontecimentos de uma vida para outra.
A Lei do Carma, no aspecto místico e religioso, é inseparável da Doutrina da Reencarnação, e uma não teria sentido sem a outra.
O carma deve ser entendido como uma “programação”, um código genético da alma, anterior ao nascimento. Compreendendo seu “carma” o indivíduo se libertaria de seu “sofrimento”.
Carma é, originalmente, ação. Posteriormente seriam as consequências da ação ao longo das vidas. As repercussões ou responsabilidades assumidas em vidas passadas poderiam consistir em efeitos somáticos (pode haver uma memória do corpo que o inconsciente transportaria de uma vida para outra) diretos e indiretos, em reações psicológicas negativas e incompletas, em dificuldades e débitos aceitos voluntariamente.
Darma = os trunfos. Talentos e forças transpostos de vidas passadas. É o oposto de carma.
Algumas vezes o darma seria transposto involuntariamente e, outras vezes, a alma encarnante escolheria transportá-lo em conformidade com o planejamento de vida e as encarnações nutridoras selecionadas para a vida vindoura.
Definição de carma por Morris Netherton (norte americano, Ph. D. em Psicologia, criador da TVP):
“Carma é um débito devido pela própria pessoa para ser “pago” pela própria pessoa num tempo que a pessoa decide, de uma maneira escolhida por ela mesma”.
O carma seria o princípio que liga certos efeitos às suas respectivas causas. As doenças poderiam ser efeitos destas causas.
Segundo as Tradições Orientais, há vários tipos de Carma:
Individual: quando diz respeito ao aprendizado pessoal. É o que cada um “sofre” individualmente, podendo esse aprendizado ser moral, físico, etc.. Por exemplo, no caso de uma doença.
(mas nem todo acontecimento “ruim” é cármico, pois devido à inconsciência pode-se causar diretamente o próprio sofrimento. Ex: uma pessoa que come demais e tem uma indigestão);.
Familiar: quando afeta toda a família. Quando toda a família vivencia em comum determinados fatos, sejam econômicos, morais, doenças, etc.. Por exemplo, no caso de um membro da família que é viciado em drogas. Isto acarreta consequências a todos ao redor;
Regional: quando diz respeito a uma determinada região. Por exemplo, secas, tufões, terremotos, inundações ou outras adversidades climáticas que ocorrem em determinados lugares e regiões;
Nacional: é uma ampliação do carma regional. Países que são assolados por guerras, ditaduras, miséria, desastres naturais, fome, etc.. É o carma que foi criado pela população de um país. Os próprios governantes são resultado do carma da nação;
Mundial: quando diz respeito a toda humanidade. Guerras mundiais, escassez dos recursos naturais (como água potável), iminência de guerra nuclear, grandes desastres naturais, epidemias, etc.. As duas grandes guerras foram carma mundial;
Katância: é o carma mais rigoroso, que é aplicado aos Mestres que cometem erros. Katância é o carma superior para quem já havia se libertado de certas Leis Cármicas de Retribuição. É o carma dos iniciados, esoteristas, que se desviaram da realização da Grande Obra;
Kamaduro: termo sânscrito que indica um carma que não pode ser negociado. Envolve tudo que tenha saber espiritual - quem conhece o caminho espiritual e não o segue, torna-se devedor de kamaduro. É o carma relacionado a erros graves, assassinatos, torturas, etc. Esse tipo de carma não é negociável e quando é aplicado chega a seu final, que é sempre catastrófico. Leva-se a marca para sempre.

Doenças:
O que é doença? Numa definição muito simples, dada por alguns autores: é toda condição insalubre. Mas, mais que isso, doença seria uma desarmonia entre o espiritual, o mental e o físico.
Atualmente, considera-se que a interação de vários fatores pode influenciar a causa e o curso das doenças físicas: hereditariedade, estilo de vida, uso ou não de drogas, local onde a pessoa mora, ocupação, idade, personalidade e fatores emocionais. Logo, nem tudo que acontece com o indivíduo seria carma. Várias correntes budistas afirmam isso: Chögval Namkhai Norbu Rimpoche (1938) Mestre do Budismo Tibetano (ensinamentos Dzogchen) postula: “Há doenças devidas ao carma ou a condições prévias do indivíduo. Mas também há doenças geradas por energias que vêm de outros, de fora. E há doenças provocadas por causas provisionais, como alimentos ou outras combinações de circunstâncias. E há doenças devidas a acidentes. Assim, há todos os tipos de doenças ligadas ao ambiente.”
O carma seria um aprendizado, e poderia acontecer na forma de uma doença. Mas, nem todas as doenças seriam cármicas. As enfermidades cármicas seriam resultado de determinados atos e pensamentos ocorridos nas existências anteriores. As doenças cármicas desapareceriam quando o carma é quitado. A partir de sofrimentos aparentemente sem explicação poderia existir uma justiça macrocósmica, associando o efeito à causa.
A Lei da Ação e suas Conseqüências poderia ser corroborada pela Física Quântica? A Teoria Quântica é a teoria física que estuda sistemas físicos cujas dimensões são próximas ou abaixo da escala atômica, tais como moléculas, átomos, elétrons, prótons e outras partículas subatômicas, muito embora também possa descrever fenômenos macroscópicos – como os ensinamentos místicos sempre ensinaram: “o que está no alto é como o que está embaixo”,
Carma seria uma função integral complexa em que um conjunto de causas interage holograficamente para gerar um efeito. O carma seria a Lei da Interconexão Quântica, a “teia” que liga tudo a todos. Quanticamente estamos interconectados uns aos outros, aos animais, aos vegetais ao Planeta e por isso, qualquer mal ou bem que causemos será sentido por nós. O Modelo Holográfico sugere que todos os elementos estão intimamente ligados no Universo: mente e Universo são holográficos - em 1969, Karl Pribram (1877-1973, neurofisiologista da Universidade de Stanford), afirmou que o cérebro atua em interações, interpretando freqüências bioelétricas que o permeiam. Em 1971, David Bohm (1917-1994, físico americano), sugeriu que a organização do Universo é holográfica. Pribram e Bohm confirmaram a idéia de que o cérebro humano funciona holograficamente, coletando e interpretando informações provenientes de um Universo holográfico. De uma forma profunda, tudo no Universo está infinitamente interconectado. O Universo em si próprio é uma projeção holográfica, e nesse Universo holográfico até mesmo o tempo e o espaço deixam de ser considerados como fundamentais. O Universo no qual cada pessoa experimenta sua realidade é uma projeção de seus pensamentos, sentimentos, emoções, etc. O Universo de cada um é um estado de “ilusão” (“maya” hindu?) único, gerado em seu interior, embora se interconecte em ilusão com outros “Universos”.
Alguns físicos encontraram um paralelo entre a Física Quântica, a Milenar Sabedoria Oriental e os Ensinamentos Místicos: esses Conhecimentos consideram o carma e a reencarnação como leis naturais e matemáticas de evolução. Os próprios cientistas que chegaram a essas interpretações quânticas acabaram por se render à possibilidade da existência de uma causa maior, ou seja, a “Divindade”.
O carma, segundo Tradições Místicas, sendo uma lei natural de evolução, vai acontecer inexoravelmente, quer o indivíduo queira ou não – doença ou saúde perfeita poderiam ser carma. Quando um “mestre” fica doente, poderia estar “queimando” o carma de vidas passadas mais aceleradamente.
Chagdud Tulku Rimpoche (1930-2002), Mestre de Ensinamentos na Tradição Nyingma do Vairayana Tibetano, afirmou: “Se estou doente, me regozijo, porque minha não virtude está sendo purificada. Se estou bem, me regozijo, porque posso usar meu corpo, linguagem e mente para criar virtude”.
Uma pessoa que, conscientemente, queira “evoluir” (no sentido de tornar-se alguém “melhor” – é um conceito subjetivo), poderia se “beneficiar”, emocional e espiritualmente, de uma doença crônica, de um braço quebrado ou de um revés econômico, aprendendo com os fatos, modificando-se profundamente. Então, por que não fazer um “vida após vida” nessa mesma vida, nessa mesma “encarnação”? Por que não considerar tudo que acontece como aprendizado, sendo ou não “carma”?
Os cientistas estão engajados na investigação matemática, física e filosófica de uma possível unidade elementar que fundamente o Universo diversificado. Seria útil considerar o aspecto unificador de uma entidade suprema consciente?
Seria mesmo tão importante assim saber se a noção de “carma” está tomando a forma de investigação científica? Será que o conceito de “reencarnação” dependeria da explicação de que partículas subatômicas possuem o mesmo comportamento dos planetas, das galáxias? Até porque a Teoria Quântica, como qualquer outra vertente do conhecimento, tem seu próprio campo de atuação e pode ser limitada para explicar determinada categoria de fenômenos.
Talvez, para cada pessoa, seja mais proveitoso considerar os aspectos unificadores de sua própria realidade, unindo diferentes aspectos em uma visão integrada: passado, presente, erros, acertos, personalidade, saúde, doença, aprendizados. E o restante, placidamente, deixar que uma “Entidade Universal Consciente”, talvez a “Superalma”, alinhe e impulsione, permitindo que ocorram os prováveis princípios que unem o Universo ao próprio indivíduo.

Bibliografia:
- Benedeti, Marcel – “Todos os Animais Merecem o Céu” – Editora Mundo Maior, 2006;
- Benedeti, Marcel – “A Espiritualidade dos Animais” – Editora Mundo Maior, 2006;
- Benedeti, Marcel – “Todos os Animais São Nossos Irmãos” – Editora Mundo Maior, 2007;
- Blavatsky, Helena – “A Doutrina Secreta” – vol II (Obra em Seis Volumes) – Editora Pensamento, 1973;
- Capra, Fritjof – “O Tao da Física” - Editora Cultrix, 1985;
- Drouot, Patrick – “Reencarnação e Imortalidade” – Editora Record, 1995;
- Goswami, Amit – “O Universo Autoconsciente” – Editora Rosa dos Ventos, 1998;
- Moody, Raymond – “Vida Depois da Vida” – Editora Nórdica, 1991;
- Netherton, Morris – “Vida Passada: Uma Abordagem Psicoterápica” – Summus Editorial, 1997;
- Stevenson, Ian – “Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação” – Editora Difusão Cultural, 1971;
- TenDam, Hans Wolfgang – “Panorama sobre a Reencarnação” (Obra em Dois Volumes) - Summus Editorial, 1994;
- TenDam, Hans Wolfgang – “Cura Profunda” – Summus Editorial, 1997;
- Weiss, Brian – “Muitas Vidas Muitos Mestres” – Editora Sextante, 1998;
Internet – Google – Tipos de Carma.

Martha Follain – Formação em Direito, Neurolingüística, Hipnose, Regressão.
Terapia Floral de Bach, Aromaterapia, Terapia Floral de Minas, Fitoterapia Brasileira, Terapia Ortomolecular, Terapia de Integração Craniossacral, Cromoterapia, Cristaloterapia, Bioeletrografia, Psicoterapia Holística.
CRT 21524
Texto registrado na biblioteca nacional - direitos autorais.
Reprodução permitida desde que, conservados todos os créditos e a fonte: www.floraisecia.com.br




<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS