São Paulo, 24/10/2019        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Como Médica Veterinária, tenho pleno conhecimento sobre o que ocorre fisiologicamente com uma fêmea canina ou felina que se encontra gestante, assim como dos requisitos necessários para que a mesma tenha uma boa gestação, sejam os anatômico-fisiológicos, nutricionais ou emocionais.
O que ocorre, na maioria das vezes, é a falta de responsabilidade por parte do proprietário com relação à vida sexual de seus animais e ao controle populacional dos animais de companhia, seja por falta de conhecimento (principalmente nas classes sociais de baixa renda) ou descaso.
A natureza fala sempre mais alto, e sempre que uma fêmea se encontrar no cio e receptiva ao ato sexual, não havendo nenhum problema reprodutivo específico, o resultado será uma gestação promissora e feliz. Para uma fêmea e seus filhotes saudáveis, não há nada de mal nesse momento sublime da vida.
Entretanto, algumas situações requerem uma atenção especial por parte do proprietário e do médico veterinário que acompanha seus animais. Gestações de risco (fetos de tamanho desproporcional à mãe, fêmeas hipertensas, com doenças crônicas, deficientes ou submetidas a tratamentos agressivos) necessitam ser avaliadas com responsabilidade e carinho. Alguns proprietários não têm condições financeiras ou emocionais para enfrentar o caminho árduo de uma gestação de risco, e algumas vezes querem “se livrar do problema”. Nesse caso cabe uma reflexão com o veterinário para que a decisão seja a mais coerente. O acompanhamento médico durante todo o período, incluindo exames pré-natais completos, e os cuidados essenciais como alimentação, higiene e carinho podem garantir uma gestação segura, tanto para a mãe quanto para os filhotes.
No caso em que o proprietário não pode ou não quer arcar com as despesas que estão atreladas a esse tipo de gestação, fica bem complicado. Como responsável pelo animal ele deveria ter a obrigação e o compromisso de zelar por essas vidas, mas se ele irresponsavelmente se nega, pensando que um aborto provocado resolveria o seu problema, a pobre mamãe está em maus lençóis. Como não há regulamentação que puna esse tipo de atitude, ele está livre para procurar um profissional que aceite realizar esse procedimento. No caso de uma gestação de risco, é possível que encontre, porém em caso de gestação normal acredito que seja mais difícil. Conheço muitos colegas que terminaram adotando filhotes, ou até mesmo mamães gestantes para evitar desfechos desse tipo. Mas é claro que isso não resolve o problema como um todo, pois a origem de tudo é a falta de consciência. Novos casos continuarão a acontecer se não houver entendimento por parte dos seres humanos que há necessidade de controle populacional dos animais de companhia, e que ter um bichano significa ter posse responsável pelo mesmo._______________________________________
********************************************************
Kátia Moema Sampaio kmoema@uesc.br
Por favor, ao publicar, CONSERVE OS CRÉDITOS
CITE A FONTE: site “Florais e Cia” – www.floraisecia.com.br

<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS