São Paulo, 23/11/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Há grandes divergências entre geólogos, geomorfólogos, biogeógrafos e climatólogos, que estudam, justamente, as mudanças climáticas globais e suas incidências no relevo.
Claro que deve existir uma série de razões físicas para comprovar que o planeta não está aquecendo sob o efeito das ações antropogênicas. Toda essa parafernália de furacões, secas, incêndios, enchentes, nevascas e degelos - embora não sejam fenômenos comuns -, pode ser cíclica.
Na verdade, clima e poluição são dois domínios distintos e serão mais bem avaliados quando forem dissociados e não confundidos, pensando melhor, antes de impor uma série de restrições à atividade humana.
Jared Diamond, em seu livro (Colapso), destaca que a ruína das civilizações antigas está diretamente ligada aos desastres ecológicos causados pela imprudência de seus povos na exploração de recursos naturais frágeis, de acordo com a época. Em sua visão, as sociedades contemporâneas cometem os mesmos erros, porém, ao criticar a posição de empresas extrativistas, acaba responsabilizando os consumidores pelos atuais comportamentos predatórios.
Já, em Caminhos Inconvenientes, de Al Gore, há uma verdade social a respeito do manejo da ecologia, mas há uma parte política e outra cultural, que no compêndio geral, também são inconvenientes. Cita uma lista de ações que poderão interromper o avanço do aquecimento global, porém não menciona que o planeta será propriedade apenas da parte consciente e evolutiva da espécie humana. E o pior, quando diz que a ciência aumentou o poder humano para causar destruição, admite que este poder nos aliena.
Para John Gray, em Cachorros de Palha, é uma heresia moderna a crença de que o objetivo da vida é a ação, lembrando que para Platão, por exemplo, a contemplação era a mais elevada forma de atividade humana. O objetivo não espelhava na mudança do mundo, mas enxergá-lo corretamente. Neste livro, há mensagens interessantes e certas contradições. Apesar de o autor ter uma visão bastante pessimista e escatológica, defende a tese de Malthus e projeta tempo de paz no futuro, mas que o poder conferido à humanidade pelas novas tecnologias, será usado para cometer crimes atrozes contra ela.
Agora, para mim, o espantalho do aquecimento pode até ser real, porém a ciência não se mede em metros e há muitos pontos contraditórios a respeito das previsões catastrofistas.
É possível que a espécie humana esteja em marcha de uma ruptura, por não ter tido a educação necessária para adquirir nova consciência. Enquanto se discute sobre o aquecimento, a ponto de inviabilizar o futuro da humanidade, a exclusão social a divide em dois grupos distintos, de acordo com uma mudança induzida pela ciência e pela tecnologia, que beneficia apenas a parcela rica, capaz de pagar pelos avançados serviços da biotecnologia e da medicina.
À medida que o mundo se aproxima de um acordo eficaz para combater a mudança climática, o conflito político entre países ricos e pobres tende a se acentuar. As medíocres lideranças políticas regionais e mundiais, imersas nos jogos de poder, demagogia, corrupção e oportunismo, continuam ignorando a situação real e fazem discursos pífios e demagógicos.
Pois bem. Ainda não há umas definições claras, objetivas se esta fornalha apocalíptica será obra do acaso ou do presságio, da sociedade ou dos governos.
Não podemos criticar as sociedades antigas, sucumbidas por desconhecimento de causa. Hoje temos todos os meios científicos, tecnológicos e econômicos para resolver os problemas socioambientais e socioeconômicos que ameaçam o futuro, se quisermos mudar a trajetória. Podemos, inclusive, construir uma sociedade global moderna ética, mais bem adaptada, consciente, conciliadora, capaz de administrar seus recursos naturais, produzir e consumir com sustentabilidade.
E mais, a natureza ficou esperta, tem o seu termômetro bem ajustado, se desidrata facilmente, mas, de repente, despeja suas copiosas lágrimas de tristeza, de alegria ou por vingança.
***********************************************************
JOÃO O. SALVADOR
biólogo do CENA (Centro de Energia Nuclear na Agricultura - USP);
colunista do site Greepet - www.greepet.vet.br ;
colunista do site Santa Ignorância ! - www.santaignorancia.rg.com.br ;
colunista do site ABC Animal - www.abcanimal.org.br ;
colunista do site Petfeliz - www.petfeliz.com.br ;
colaborador do "Jornal de Piracicaba", "Gazeta de Piracicaba" e "Tribuna Piracicabana".
colunista do site Florais e Cia - www.floraisecia.com.br
e-mail: salvador@cena.usp.br
Publicação autorizada, desde que os CRÉDITOS SEJAM CONSERVADOS E
FONTE CITADA: site “Florais e Cia” – www.floraisecia.com.br

<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS