São Paulo, 18/12/2017        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Pesquisas revelam que a pior poluição não está nas ruas, nem na água, nem é a gerada pelas fábricas, tampouco, nos alimentos. Está onde menos se suspeita, normalmente onde as pessoas se refugiam das agressões do mundo externo, ou seja, dentro de suas próprias casas.
Uma das maiores fontes de poluição é o banho diário de chuveiro, porque o cloro existente na água tratada se transforma em clorofórmio ao ser aquecido. É altamente volátil e que aspirado em pequenas concentrações, diariamente, pode causar problemas em pessoas sensíveis.
Outras fontes importantes de poluição invisível e inodora no ambiente doméstico são: os agentes de lavagem a seco (tricloroetileno); os cupinicidas usados para prevenir infestações de cupins; os carpetes e cortinas, que armazenam os agentes de limpeza - de desinfecção e de conservação - por muitos meses, os quais, além de extremamente voláteis e tóxicos, são cancerígenos; os solventes usados nas ceras de assoalho, nos limpa-móveis e removedores, que também produzem efeitos poluentes sérios, devido aos vapores; plantas que produzem flores são fontes de pólen, e a suas folhas mortas e o material orgânico do substrato, liberam gases e compostos orgânicos voláteis, pelo processo de decomposição. Finalmente, os produtos de combustão incompleta (fumaça na cozinha, lareira, fornos e fogões com queimadores defeituosos), os ácaros, fungos, e poeira nos estofados, tapetes, cortinas e camas contribuem bastante para um índice de partículas em suspensão em nível muito elevado, cerca de cinco a 10 vezes maior do que fora de casa. Para se ter uma idéia, uma criança pequena, por estar sempre muito próxima do solo, ingere cerca de 100 mg de poeira por dia. Com isso, ela aspira cerca de 110 nanogramas de benzopireno, o mais tóxico dos hidrocarbonetos aromáticos cíclicos, parentes do benzeno. Como a maior fonte de benzeno poluente é a fumaça do cigarro, isso equivale a fumar três cigarros por dia.
Em ambientes fechados os poluentes se dispersam em um volume de ar muito pequeno, principalmente quando não há ventilação ou circulação adequada de ar. Forma-se há uma grande concentração de materiais sintéticos, geradores de gases e vapores que penetram facilmente em nossos pulmões. A maioria dos tijolos libera um gás radioativo que existe naturalmente em pequenas quantidades nas argilas da matéria-prima de sua fabricação, chamado radônio. A radiação gerada por eles é centenas de vezes maior do que qualquer outra fonte natural e seu acúmulo em casas mal ventiladas pode causar câncer de pulmão.
Há um desconhecimento total da população em relação a esses riscos, que poderiam ser afastados com algumas medidas muito simples de prevenção. A primeira, uma das mais importantes, é banir totalmente o fumo em casa, até mesmo dos visitantes. O fumo gera monóxido de carbono (CO), partículas suspensas e cerca de 400 agentes voláteis, inclusive benzeno e outros cancerígenos, que afetam tanto o fumante ativo quanto os passivos. Outras medidas são intuitivas e já eram usadas por nossas avós, como casa bem ventilada, muita limpeza com água fria e o velho sabão em barra, evitando os superagentes de limpeza modernos; limpar tapetes, cortinas e estofados sempre no quintal ou área de serviço. O uso consciencioso e freqüente de um simples capacho para limpar os pés diminui em até 100 vezes o nível de poluentes carregados da rua, como o chumbo e o cádmio. Os assoalhos não devem nunca ser de sinteco, enorme fonte poluidora, porque persiste por anos após a aplicação. As tintas de paredes devem ser livres de pigmentos de chumbo.
Deve-se controlar melhor o ambiente onde se passa a maior parte do tempo, seja em casa ou no trabalho. Ficar perto de uma copiadora xerox ou de uma impressora laser expõe a pessoa a um nível de ozônio milhares de vezes maior que o gerado pela poluição dos automóveis na rua.
Os Estados Unidos estabeleceram critérios rígidos para controlar a emissão de benzenos, identificando as fontes emissoras principais como sendo os automóveis (82%), a indústria (14%). As fontes domésticas respondem apenas por 3% e os cigarros por 0.1%. Entretanto, quando se analisa ao nível do consumidor, 45% da exposição ao benzeno é devida ao fumo, 36% da inalação de vapores de gasolina, removedores domésticos, cola, ceras, etc., e 16% de outras fontes domésticas. Apenas 3% do benzeno que se inala provém de fontes poluentes industriais.
Os organismos são biologicamente diferentes e não existe uma maneira eficiente de avaliar os danos à saúde, decorrentes da poluição doméstica, porque não apresentam uma causa aparente, e, portanto, a culpa fica sempre por conta de quem não se previne.
Principal site de busca: (www.epub.org.br/correio/medicina/cp980522.htm)

*******
João Salvador - biólogo do CENA (Centro de energia nuclear na agricultura - USP);
colunista do site Petgree - www.petgree.vet.br ;
colunista e co-responsável pelo site Santa Ignorância ! - www.santaignorancia.rg.com.br ;
colunista do site ABC Animal - www.abcanimal.org.br ;
colunista do site Petfeliz - www.petfeliz.com.br ;
colaborador do "Jornal de Piracicaba", "Gazeta de Piracicaba" e "Tribuna Piracicabana".
colunista do site Florais e Cia - www.floraisecia.com.br
e-mail: salvador@cena.usp.br
A Publicação é autorizada, CONSERVANDO TODOS OS CRÉDITOS E
CITANDO A FONTE: site “Florais e Cia” – www.floraisecia.com.br

<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS