São Paulo, 25/06/2019        
PÁGINA INICIAL
Florais de Bach para animais
 
ARTIGOS     
 
Digo não aos CIRCOS COM ANIMAIS, assim, estarei dizendo não aos chutes, chicotadas, pauladas, choques elétricos, chapas quentes, mutilações, sofrimentos,medos, privações de água e comida, morte! Enfim...O QUE NÃO QUERO PARA MIM E OS MEUS, TAMBÉM NÃO QUERO PARA NENHUM OUTRO SER, PRINCIPALMENTE, SE, INDEFESOS.

Elefante sendo chicoteado por seu treinador

Foto: PETA www.circuses.com




Nos circos em que os animais são usados como entretenimento, " O MAIOR ESPETÁCULO DA TERRA", está vinculado diretamente à s torturas, crueldades e mortes de indefesos animais ,obrigados, muitas vezes, a irem de encontro a própria morte, como aconteceu com o gatinho do CIRCO BETO CARRERO, que foi obrigado a pular de uma altura de 15m de altura para uma almofadinha de 30cm e acabou espatifando-se na frente de uma platéia, a maioria crianças, chocadas com a tragédia do pobre animal, em Santa Catarina. Por você, por sua família e pelos animais, NÃO LEVE SEUS FILHOS A CIRCOS QUE EXPLORAM ANIMAIS, há vários circos realmente espetaculares como LE CIRQUE DU SOLEIL, CIRCO IMPERIAL DA CHINA, e, tantos outros que citarei abaixo, que não se utilizam de animais e dão um verdadeiro SHOW de beleza e técnica, além de promoverem a arte e gerarem empregos.

OS MÉTODOS DO TREINAMENTO:


ELEFANTES: Ficam amarrados meses numa jaula para que não possam se mexer, para que o peso comprima os órgãos internos e cause dor, levam surras diárias, ficam sobre as próprias fezes até que seu "ESPÍRITO SEJA QUEBRADO" e passem a obedecer.

FELINOS: São acorrentados a seus pedestais e as cordas são enroladas em suas gargantas para que tenham a sensação de estarem sendo sufocados, são dominados pelo fogo e chicotes, golpeados com barras de ferro e queimados na testa, pelo menos uma vez na vida, para que não esqueçam a dor, têm suas garras e presas extraídas ou serradas, alguns circos alimentam os grandes felinos com cães e gatos de rua.

URSOS: Têm suas garras e presas arrancadas, seus narizes quebrados e as patas queimadas nas chapas de metal aquecidas quando em treinamento para se erguerem e darem a impressão que estão dançando enquanto uma música é tocada.

MACACOS: Apanham para obedecer e obedecem por medo, têm seus dentes arrancados para poderem fotografar junto à s crianças. Os macacos de circos apresentam o mesmo comportamento tido por uma criança que sofreu abuso.

DEPOIMENTOS DE TREINADORES DE CIRCOS

"...faltando apenas duas semanas para a noite de estréia tínhamos que trabalhar rápido e preparar os elefantes para a apresentação...

...A mais jovem era muito tímida e assustada. Um dia , a colocamos na arena para treinar. Ela não conseguia realizar os truques e fugiu. A pegamos e a trouxemos de volta, forçamos para que se abaixasse e começamos a castigá-la por ter sido tão tola...

De repente, paramos de bater e olhamos um para o outro. ELA CHORAVA COMO UM HUMANO, LARGADA E DEITADA DE LADO, LÁGRIMAS ESCORRIAM DE SEUS OLHOS E SOLUÇAVA DESESPERADAMENTE".


" Era uma inocente e doce ursinha marrom que nunca machucou ninguém...mas algumas vezes, ela tinha dificuldade para realizar os malabarismos. Apanhava com uma longa vara de metal até que estivesse sangrando e gritando de dor. Ela ficou tão neurótica que batia sua cabeça contra sua pequena gaiola. Finalmente ela morreu".


Quando os animais de circo envelhecem ou ficam doentes, são abandonados até em praças públicas por seus exploradores como: três leões que depois de terem sido explorados durante anos pelo Circo Stankowich, de Mário Stankowich, foram descartados para o Circo da Romênia,também da família Stankowich, que os abandonou em uma praça, na cidade de Sumaré em S. Paulo e que foram resgatados pelo santuário ecológico RANCHO DOS GNOMOS; sete leões abandonados em Nova Iguaçu, no Rio de janeiro, pelo Circo Real de Espanha em 2000; duas leoas abandonadas numa jaula pelo Circo de México , numa propriedade em Eldorado do Sul.

Poderia citar diversos casos de abandono de vários animais doentes e velhos por circos que se utilizam dos mesmos, mas prefiro apelar à sensibilidade , ao bom senso de cada um, por todos os motivos acima e por aqueles que não poderei citar .

Não há pior exemplo para a geração futura do que a falta de respeito e à tortura infringidas aos animais, simplesmente por não poderem se comunicar como nós e assim impedidos de denunciarem as covardias a que são submetidos por não pertencerem a nossa tribo, embora estejamos todos, sob a guarda da mesma nave mãe.

FONTES:

http:// www.animaisdecirco.org


http://www.apasfa.org


http://www.pea.org.br/crueldades/circos/index.htm


http://www.aila.org.br/circo.htm

Colaboração: Drª Andréa Lambert
*******

Fátima Borges - artista plástica, poetisa, professora de português e teatro infantil;
colunista do site Petgree - www.petgree.vet.br;
vice-presidente da Ong DAAJ ( Defesa animal e ambiental com apoio jurídico);
colunista do site Florais e Cia - www.floraisecia.com.br
A Publicação é autorizada, CONSERVANDO TODOS OS CRÉDITOS E
CITANDO A FONTE: site “Florais e Cia” – www.floraisecia.com.br


<<Voltar para página Anterior

 

 

Topo^   

COLUNAS